AMOR, FOCO, DETERMINAÇÃO E DISCIPLINA 70.3 Penha

Nesta página quero dividir as minhas experiências em challenges que encaro como a grande máquina de uma vida saudável para mim…Sempre que estou treinando para alguma prova cuido mais de mim; da minha alimentação, da minha saúde, dos meus ossos, dos meus músculos e passo a me conhecer cada vez mais! É assim com você também?

Escutei de uma pessoa que correr acima de 10 km era suicídio e depois de completar 01 Meio IronMan e correr + 02 Meia Maratonas em 8 meses e, ainda estar viva, merecia um post sobre Endurances e sobre o que é a vida de fato…

Há 03 anos decidi que queria fazer triatlhon, após assistir uma prova de Ironman em Florianópolis… onde as pessoas estavam felizes e realizadas mesmo com dor, fome, frio, calor  e cansaço! Queria entender esta sensação de prazer e mais que isso, queria sentir esta sensação na minha pele, quer dizer, no meu corpo.

Planejei e treinei durante estes 03 anos, aprendendo a nadar em mar, pedalar na speed e correr! Passei pelas etapas dos 5km, dos 10km, do mini-triatlhon, do short-triatlhon, do triatlhon olímpico, da meia maratona, dos 100 km de bike e, no final do ano passado decidi competir o meu primeiro de muitos Meio Ironman.

Durante este período aprendi muito o que é Amor, a ter foco, ser ainda mais disciplinada e ter mais determinação do que já tinha pelas braçadas, pedais e corridas. Encarar a dor, o cansaço, o medo, a preguiça foram momentos nos quais aprendi, mais e mais, a não desistir dos sonhos!

Treinei, me machuquei, me recuperei, me descobri em alguns aspectos, me respeitei, sofri, sorri, chorei, gargalhei, arrepiei, e estava pronta depois de 8 meses para competir o 70.3 de Penha!

Na largada da prova chorei de emoção de ter conseguido estar forte para aquele momento e pelo apoio de pessoas amigas que foram assistir a prova e das que ficaram torcendo por mim mesmo à distância e, também, pelo alívio de não ter desistido mesmo com os míseros comentários que escutei de pessoas sem nenhum espírito esportivo.

PEEMMMMMMMMM… largou e eu estava na faixa, tive que correr e nadar forte para não ser atropelada pelos homens… A natação foi um passeio com pancadaria pelas calmas água do mar de Penha, mas estava me sentindo super bem e fiquei ainda mais forte e decidida a fazer a prova que tinha planejado e treinado.

Sai da água com 35 minutos e deixei os 1900 metros para trás, agora era pedalar e correr. Fui pedalar feliz da vida, parecia uma criança com a sua primeira bike! Passei umas mil vezes pelos Dinossauros rosa e amarelo do Beto Carreiro World que foram grandes companheiros de prova… estavam sempre na minha visão!

Pedalei para baixo de 2 horas e 50 minutos, como meu noivo e meu treinador apostou em mim! Os 90 km ficaram bem para trás, nem o vento lateral me impediu de enfrentar com firmeza o pedal do Meio Ironman!

Desci da bike e as minhas pernas não fechavam e pensei ai meu Deus como eu vou correr “parecendo” um alicate, fora que a minha lombar, coluna e pescoço estava retorcidos! Não tive dúvidas, rapidamente chamei o médico, me troquei para correr, comi, bebi e deitei no chão esperando por algum anjo arrumar a minha coluna… Fiz uma super compensação e estava pronta para correr.

Sai para a corrida e de cara vi o meu amor! Todas as minhas energias foram renovadas, mas as pernas continuavam muito cansadas e o enjoo aumentava. Mesmo assim estava tudo certo! Andei, corri, andei mais um pouco e voltei a correr. As pessoas e  os amigos gritavam torcendo por mim e nos postos de hidratação, os staffs me davam mais um pouco de energia gritando “Vamos lá Fernanda, você tá bem!”, “Água, Pepsi, laranja, banana para Fernanda, gente!” , assim fui correndo os 21 km finais na prova.

No último quilometro da corrida, avistei o meu dengo, o meu amor e treinador emocionado e comecei a chorar de emoção; mas pensei, agora não, superei todas as variáveis externas e internas e se chorasse naquele momento iria desabar. Peguei na mão dele e corri o melhor pace da minha prova! Quando entrei com ele no corredor da linha de chegada com o pórtico sinalizando o tempo menor do eu esperava, com o tapete vermelho, as flores nas laterais, parecia que estava em slow motion porque queria registrar cada passo.

Passei pelo pórtico da chegada com 6 horas e 07 minutos e não sabia o que fazer… se me jogava no chão e chorava, se desmaiava, mas um força dentro de mim me fez pular no colo do meu amor e rodopiar com ele agradecendo-o por toda a dedicação, carinho, companheirismo, que teve comigo sempre!

E assim vivi e não morri! Portanto, correr mais de 10 km pode ser uma grande lição de vida para poucos ou para aqueles que de fato gostam de viver!

Viva, pratique e supere!